Acerca de 'O Desejo e Outros Demónios'

O título do livro é uma referência a Del Amor y Otros Demónios, de Garcia Márquez, sendo que, no meu conto, o que move os personagens é o desejo mais do que o amor, pelo menos no sentido em que eu o concebo. As Partes Sagradas foi-me inspirado por Vanity Fair, dos Mr. Bungle, um dos inúmeros projectos paralelos do músico norte-americano Mike Patton, mais conhecido como vocalista dos Faith No More. Na letra desta canção, há uma referência à seita cristã Skoptsy, que existiu na Rússia e na Roménia desde 1711 até meados do século XX. A epígrafe remete para uma canção dos Interpol, C’mere. A crónica Bons Rapazes, atribuída a John Vargas, é uma recordação de infância, uma reencenação inconsciente de Lord of The Flies por um grupo de crianças barreirenses nos anos oitenta. Anima Animus, além de ser um conceito jungiano, é também o nome de um álbum dos The Creatures, a banda de Siouxsie Sioux e Budgie, ambos dos Siouxsie and The Banshees. Tchecov dizia que, quando uma arma aparece no primeiro acto de uma peça, ela será disparada no terceiro. Foi esse o preceito que tentei seguir. O Instituto revela-nos uma criatura baptizada de Berserker mantida em cativeiro no Instituto MacLaren, a qual foi inspirada no Wendigo de Algernon Blackwood, que, por sua vez, inspirou a criação de Ithaqua por parte de August Derleth. The Day The World Went Away, dos Nine Inch Nails, esteve na génese do conto O Dia em que o Mundo se foi Embora. Uma forte constipação, que me roubou o sentido do olfacto e o do paladar, e o efeito da altitude, ouvidos tapados e tonturas, forneceram a matéria-prima. Memento Mori traduz-se por “Lembra-te de que és mortal”. É uma história de fantasmas, sem que nada de fantasmagórico ou assustador ocorra. Reconheço nela ecos das leituras que fiz das Memórias Póstumas de Brás Cubas, do escritor brasileiro Machado de Assis, e do filme Memento, de Christopher Nolan. As duas histórias que compõem Jezebel acabaram por convergir acidentalmente, apesar de terem sido escritas em ocasiões separadas, sendo que fui buscar a história de Cesar e Rakel a uma notícia de jornal. Em A Lei de Thalia, viajamos até uma Saint Paul distópica e pós-apocalíptica onde os criminosos, e em particular os infanticidas, são obrigados a confrontar os familiares das suas vítimas num exercício extremo de justiça restaurativa. Mr. Butterfly foi parcialmente inspirado em M. Butterfly, um filme de 1993 realizado por David Cronenberg e adaptado da peça homónima escrita pelo dramaturgo sino-americano David Henry Hwang, o qual se baseou na história real do diplomata Bernard Boursicot e Shi Pei Pu, um cantor da ópera de Pequim, ambos condenados por espionagem pelo governo francês nos anos 80. No filme, René Gallimard (Jeremy Irons) apaixona-se pela cantora Song Liling (John Lone), alheio ao facto de que, na tradicional ópera chinesa, todos os papéis serem interpretados por homens. Descoberto o logro (que incluiu o «nascimento» de uma criança de olhos rasgados e cabelos loiros), Gallimard é preso por crimes de espionagem e torna-se alvo de chacota em toda a França. Na prisão, recupera por instantes a mulher que ama, encenando a sua trágica transformação em Madame Butterfly, momentos antes de tirar a própria vida com um fragmento de espelho. Em Mr. Butterfly, o catalisador da metamorfose não é a perda da mulher amada, mas sim a sua descoberta. Aprisionado na sua indefinição, Christian Sands encontra em Patricia Kane a razão para se transformar naquilo que, potencialmente, já seria. O nome do protagonista foi tomado de empréstimo da faixa Christiansands de Tricky, do seu álbum de 1996, Pre-Millenium Tension. A epígrafe foi retirada de I Would for You, do álbum Hesitation Marks, dos Nine Inch Nails. A designação Gatherer Of Data remete para o álbum Desensitized dos Pitchshifter, lançado em 1993.Cadernos de Saint Paul apresenta um excerto do diário do escritor Tony Dornbusch e foi construído à volta da noção de partenogénese, ou seja, a reprodução assexuada ou nascimento virgem. De salientar que, a ser possível a sua ocorrência em seres humanos, o ser resultante seria sempre do sexo feminino e, tirando algumas alterações genéticas, muito parecido com a progenitora.

Sem comentários:

Enviar um comentário