Marginais X/ Marginals X

          Somos apenas crianças, mas somos velhos como o Universe. As brincadeiras pueris de antanho deram lugar a jogos de vida e de morte. Trazemos connosco a noção de que a persistente ilusão a que chamam realidade é passível de se moldar à nossa vontade. Amámos antes. Voltaremos a amar. Nada nos fará ceder ao ódio e à ignorância. Carregamos o fardo das coisas que aprendemos, reconhecemos a mentira onde se diz estar a verdade. A verdade. Obrigada a esconder-se como um animal acossado. Afogámo-nos nos oceanos do tempo, emergindo como senhores da Criação em praias de areias vermelhas. Chamamos lar ao deserto mais inóspito, tornam-se doces os frutos mais amargos nas nossas bocas ansiosas. Sobre nós derramam-se bênções mecânicas e sacramentos industriais. Somos crianças, mas somos velhos. E não vamos morrer nunca.
*
          We are just children, but we're as old as the Universe. Our boyish games of yesterday gave way to games of life and death. We carry in us the notion that the persistent illusion called reality is susceptible to be reshaped by our willpower. We loved before. We shall love again. Nothing will make us yield to hate and ignorance. We bear the burden of things we learned, we recognize the lie where truth is said to be. Truth. Forced into hiding like a beset beast. We drowned in the oceans of time, emergind as lords of Creation in shores of vermilion sands. We call home the inhospitable desert, the bitterest fruits become sweet in our eager mouths. Mechanical benedictions and industrial sacraments are shed onto us. We are children, but we are old. And we will never die.

Sem comentários:

Publicar um comentário